REPORTAGEM AO APÓSTOLO JORGE TADEU - JORNAL O PÚBLICO
REPORTAGEM AO APÓSTOLO JORGE TADEU | REVISTA PONTOS DE VISTA - JORNAL O PÚBLICO

Se, inicialmente, as pessoas chegavam para desabafar os seus problemas, em busca de conforto e de um ombro amigo, a amplitude destes encontros levou a que, mais tarde, houvesse a necessidade de realizar reuniões aos domingos. A partir daqui, tem sido um crescimento gradual que muito orgulha Jorge Tadeu, Fundador e Presidente do Grupo Maná.

Tudo começou pelas suas mãos, em 1984, com um grupo familiar no seio de sua casa. Decorridas três décadas, Jorge Tadeu ainda se surpreende quando tem a consciência de que a Igreja Maná está, hoje, em mais de 80 países, dispersos pelos continentes europeu, americano e africano. “É uma comoção muito grande porque eu era uma pessoa muito envergonhada e nem sequer conseguia olhar olhos nos olhos”, partilhou. Mas hoje o cenário é bem diferente.

A Revista Pontos de Vista foi conhecer os contornos de uma história que começou por um engenheiro civil que, apesar de ter abraçado com toda a garra a sua missão, não esconde uma eterna paixão pela engenharia.

“Sempre fui um revoltado, um revolucionário”. Esta poderá ser a expressão que melhor define Jorge Tadeu, um eterno engenheiro civil, com especialização em pontes e estruturas especiais e com um especial orgulho em poder ter uma das suas pontes impressa na maior nota de África do Sul, de 200 Rands. Já no período universitário, em Moçambique, Jorge Tadeu revoltava-se com o que assistia. “As oportunidades eram só para alguns. Os portugueses podiam ter tido tanta coisa e nunca tiveram, não por culpa do povo mas sim do regime de então. No ano em que se deu o 25 de abril eu ia para a tropa mas, como costumo dizer, ‘quando lá cheguei a guerra estava fechada’. Fui, então, à procura de emprego”, começou por contar Jorge Tadeu, num encontro realizado na sede internacional da Maná Igreja Cristã, na Quinta da Ribeirinha, em Santo Antão do Tojal.

Trabalhou durante vários anos na África do Sul, onde um dia decidiu visitar um amigo que se tinha convertido. “Fui à igreja dele e fiquei encantado porque não existiam santos e toda a gente estava a cantar. Nesse momento algo passou por mim, algo que não consigo explicar. Senti um amor muito grande e um chamado para a Igreja”, explicou. Jorge Tadeu começou a frequentar mais a Igreja e leu a bíblia, aquela que hoje vê como “uma espécie de manual, um guia diário para as pessoas colocarem as regras em prática”. A partir daí, continuou a dar cartas na engenharia, conquistando sucessos, uns atrás dos outros. Mas não era aquele o seu caminho.

Foi então que decidiu estudar no Centro de Treino Bíblico Rhema. Terminado esse percurso, quando chegou a Portugal e, apesar de ainda ter exercido durante algum tempo, abandonou a carreira de engenheiro, mas nunca o gosto, e abraçou um novo caminho. “Tinha tantas coisas para fazer com Deus que larguei a engenharia”, reforçou. Foi, deste modo, que começaram a ser escritas as primeiras linhas da Maná Igreja Cristã, pertencente ao ramo das Igrejas Evangélicas Neopentecostais, através de um pequeno grupo familiar em casa. Da parte de amigos, Jorge Tadeu ia tendo as mesmas reações: “uns riam-se, outros gozavam mas a verdade é que, em momentos de maior aflição, telefonavam-me”. Ao longo de 30 anos têm sido incontáveis as vitórias e os fracassos, existiram muitos momentos complicados mas somente assim tem sido possível aprender com os erros para fazer melhor no futuro. Com igrejas em Espanha, França, África do Sul, Cabo Verde, Estados Unidos da América, entre tantos outros países, a relação entre todos é “espetacular”.

O mais interessante deste processo é que nada foi imposto, nada foi planeado. Jorge Tadeu estava nos locais onde iam pedindo a sua ajuda e, depois disso, mais uma igreja nascia. “Inicialmente, a única coisa que planeava era fazer o meu melhor e sobreviver. Os portugueses estão dispersos por todo o Mundo e acabamos por ser conhecidos um pouco por toda esta grande comunidade, até porque desde muito cedo que começámos a gravar em cassetes, estivemos no satélite e as pessoas iam assistindo e gostavam do que viam", contou Jorge Tadeu à Revista Pontos de Vista. E é, de facto, de amigos que aqui se fala. Por toda a Quinta da Ribeirinha, todos se conhecem, todos falam abertamente e tratam-se como membros de uma grande família. A Jorge Tadeu, dirigem-se como Apóstolo, designação que surgiu como reconhecimento pelas suas qualidades bíblicas identificadas por esta incomensurável comunidade.

Além de líder do Grupo Maná, Jorge Tadeu é autor de diversos livros publicados em várias línguas e editados em muitos países. Pela sua capacidade de agregar multidões, é frequentemente convidado para grandes convenções, seminários e eventos especiais a nível mundial. A par disso, fazendo convergir o lado espiritual com as regras de uma boa liderança, planeamento, gestão e recursos humanos, Jorge Tadeu ministra ainda convenções de Homens de Negócios.

“O objetivo é a essência da vida”
Desde a sua génese até ao momento atual, podemos afirmar que o objetivo da Igreja Maná resume-se a ensinar o Evangelho e levar a cultura portuguesa a todos os locais onde se fala português? É bem mais do que isso. “O objetivo é a essência da vida. Queremos levar Deus às pessoas mas não é um Deus religioso mas sim que nos ama, que nos salva e que nos ajuda. Assim, ensinamos as pessoas durante as reuniões de sextas e domingos e damos aconselhamento pastoral porque muitas vezes as pessoas estão em baixo e, aos domingos, entre tanta gente, nem nos apercebemos disso. No fundo, tudo na vida se resume à lei de semear e colher e as pessoas têm de aprender a viver com isso, com as consequências positivas e negativas dos seus atos”, defendeu.

No seio da igreja, existem duas grandes bases. Por um lado, a base espiritual engloba todas as igrejas existentes por todo o Mundo. “A Igreja é sempre o centro de tudo. É aqui que as pessoas vêm, onde ensinamos, damos aconselhamento. Dentro da base espiritual, temos a vertente nacional em que temos um bispo. Depois, consoante o trabalho, existem bispos regionais que cuidam das suas regiões”, explicou. Por outro lado, existem os departamentos que dão apoio às igrejas. “Temos o departamento internacional de missões, de música, aviação, obras, cinema, jurídico, webdesign. Este último construiu um programa que nos permite entrar num sistema e ver a informação que nos é permitida, conforme a hierarquia, em qualquer parte do Mundo, a partir do telemóvel. Fazemos ainda programas infantis, banda desenhada e livros.

À medida que cada departamento foi crescendo, foi havendo a necessidade de instituir um diretor nacional e uma hierarquia. Tem sido um investimento constante, que nos exige tempo e dinheiro”, revelou Jorge Tadeu. Estas exigências transpõem ainda para outro campo. A Igreja Maná é detentora de vários canais de televisão e rádio em Portugal, Espanha, Brasil, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

O canal de televisão TV Maná 1, detido também pela Igreja Maná, é uma plataforma de TV digital que quer continuar a crescer em todo o Mundo e, para tal, tem sido feita uma aposta na diversificação de conteúdos. Nesse sentido, foi realizado um protocolo com a agência Reuters em que, através da divulgação de imagens e notícias, será possível criar um conjunto de programas específicos. “A Igreja tem um papel fundamental mas o canal é para ser diferente, mais generalista. Queremos chegar a toda a gente e não apenas a um público alvo”, afiançou Jorge Tadeu.

O papel da música e dos jovens
Ao longo do tempo, a música tem sido usada como um instrumento perfeito para transmitir mensagens à sociedade. Já dizia Ernst Hoffmann que “a música começa onde acaba a fala” e não poderia estar mais certo. “A música é como se fosse um camião. Pode ser enchido com uma letra que vai induzir a pessoa para a violência ou que a leva a fazer o bem e a amar. Nós temos jovens muito talentosos que fazem músicas bonitas e que, no fundo, aproveitam o que nós ensinamos, e transformam numa canção”, afirmou Jorge Tadeu. Falar em jovens é também falar no futuro.

Para o Presidente do Grupo Maná, não podemos esquecer que estamos perante “futuros pais e mães” e, para que eles sigam um bom rumo, a Igreja desempenha um papel fulcral. “Se a Igreja não criar um espaço para o jovem, ele vai acabar por seguir com más companhias e entrar por caminhos que não são corretos e, para tal, não basta ir a reuniões. A Igreja tem de criar um espaço que proporcione ao jovem uma série de atividades sadias, onde está naturalmente a música e o desporto”, afirmou. A pensar nisso, a Igreja Maná criou o Departamento Internacional de Jovens (DIJ), a quem cabe a responsabilidade de organizar várias atividades que cheguem a jovens de várias faixas etárias. Assim, desde concertos, peças de teatro e de dança, grupos musicais, seminários de prevenção e aconselhamento sobre temáticas suscetíveis, como drogas ou Sida, este grupo de jovens reúne, geralmente, aos sábados para reuniões durante as quais Deus continua a ser a figura central. Uma vez por ano são ainda desenvolvidos dois eventos internacionais: o Acampamento e a Convenção de Jovens.

Também para continuar a cativar a atenção dos públicos mais jovens, um dos objetivos para o futuro passa por retomar com toda a força o cinema, um segmento que inclui filmes e séries. “São formas muito interessantes de levar uma mensagem. Como tal, pretendemos fazer filmes onde descrevemos dois caminhos: o caminho de um jovem que decide andar com Deus e o de outro que opta pelo contrário. São filmes dinâmicos, modernos, com imagens de vários países e onde, mais uma vez, os jovens estão envolvidos”, explicou.

Convenção de Fé 2014
De 12 a 16 de Agosto será o momento de assinalar os 30 anos da Igreja Maná, através da realização da Convenção de Fé na Quinta da Ribeirinha, em Santo Antão do Tojal. “Prosseguimos para o Alvo” foi o tema escolhido para um evento que, em termos sociais e económicos, é de extrema importância. “Prosseguir para o alvo significa que já estou a andar mas não posso parar e continuo em frente para um alvo, para um objetivo”, explicou. Assim, além de outras atividades, Jorge Tadeu, enquanto líder, desempenhará um papel essencial. “Ao povo, irei dizer que o nosso alvo será continuar a falar de Deus mas queremos atingir mais povos porque hoje temos essa possibilidade. Hoje, conseguimos treinar um maior número de pessoas, não só presencialmente mas também através dos nossos cursos online.

Iremos dar muito mais força à rádio, à televisão e à Internet”, relatou o responsável. Mais do que olhar para o passado e celebrar o que se construiu, importa agora encarar o futuro com esperança. “Na essência, com este evento, pretendo dizer para onde vamos. É essa a minha função, como líder”, garantiu. E para onde é que a Igreja Maná quer ir? “Queremos treinar mais pessoas porque só assim é que conseguiremos abrir mais igrejas. Queremos chegar ainda mais longe”, concluiu Jorge Tadeu.

Quem é Jorge Tadeu?
Presidente e Fundador do Grupo Maná, Jorge Tadeu, nascido em Nampula, Moçambique, formou-se em Engenharia Civil, com especialização em pontes e estruturas especiais. Aliás, uma das pontes que teve o seu cunho está impressa na maior nota de África do Sul, de 200 Rands. Foi em Joanesburgo que se converteu a Jesus, na “Apostolic Faith Mission”. Veio, então, para Portugal, onde continuou a trabalhar no seu ramo de formação durante dois anos. Mas, a sua missão era outra e, em Setembro de 1984, fundou a Igreja Maná, com um grupo familiar em sua casa. Gradualmente, as pessoas, de todo o Mundo, começaram a tratar o então Pastor Jorge Tadeu, por Apóstolo uma vez que reconheciam nele qualidades bíblicas. Autor de muitos livros, CD’s e DVD’s, Jorge Tadeu é frequentemente convidado por outros ministérios a participar em convenções, seminários e eventos especiais.

Crescimento da Maná Igreja Cristã
O desenvolvimento desta comunidade foi gradual. Se, no início, as pessoas chegavam para desabafar e falar dos seus problemas, mais tarde começou a fazer-se reuniões aos domingos, num anfiteatro de um centro empresarial. Seguiu-se um hotel e, dada a afluência de pessoas, chegaram mesmo a estar num anfiteatro na FIL (Feira Internacional de Lisboa). O primeiro edifício próprio localizava-se na Avenida Columbano Bordalo Pinheiro. Seguiu-se a abertura de mais uma igreja, em Alvalade. Hoje, está presente em mais de 80 países, distribuídos por três continentes (Europa, América e África).

Países onde a Maná Igreja Cristã está presente:
A Igreja Maná está presente em mais de 80 países, nomeadamente: Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Bélgica, Alemanha, Eslováquia, Suíça, Luxemburgo, Holanda, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Namíbia, África do Sul, Moçambique, Senegal, São Tomé e Príncipe, Suazilândia, Tanzânia, Congo, Brasil, Canadá, Estados Unidos da América, Argentina, entre outros. A igreja quer ainda chegar à China, Índia e Países Muçulmanos.


Fonte da noticia : Revista Pontos de Vista (Jornal o Público)
 
marcia venancio spadoni
04, 2014
Apostolo JORJE TADEU,agradeco a nosso deus e pai por sua vida .a 8 anos vou a igreja mana ,no brasil,em ribeirao preto,e muito aprendi sobre o evanjelho de jesus ,muito obrigado por dedicar sua vida a ajudar os pequeninos.nas vzs que esteve aqui ,eu estive presente nas reunioes e ate recebi um aperto de mao .deus te abencoe na sua chamada,anen
Deixe o seu comentário


 
 
 
 
Maná Global

Envie a um amigo para que ele também nos fique a conhecer...
 
Copyright © Maná Igreja Cristã - 2011 - Todos os direitos reservados - Proibida a cópia ...